Wolverine, a decepção

Quando Bryan Singer chegou às telas dos cinemas com X-Men, o mundo olhou com atenção para uma nova personagem do showbiz: o australiano Hugh Jackman. O desconhecido aparecia com as famosas garras de adamantiun daquele que um dos mais populares mutantes, Wolverine. Não teve Halle Berry e nem Patrick Stewart que chamasse a atenção mais do que ele – Ok, talvez o sempre excelente sir Ian McKellen como o sensacional Magneto. 
Naquele momento, a história estava traçada. O carisma de Jackman encantou o mundo a ponto de ele ter sido o escolhido para rejuvenescer e levantar a festa do Oscar. E a carreira solo do seu mutante estava traçada. Nove anos depois, chega aos cinemas X-Men Origins: Wolverine, o primeiro de uma possível franquia que resgatará o passado dos principais mutantes. O resultado? Decepcionante. 
A começar pela direção. Gavin Hood foi claramente escolhido por ser novo e muito mais manipulável que um Bryan Singer da vida. O resultado são cenas e mais cenas com cara de executivos. A profusão de cenas sem camisa despropositadamente e mutantes que aparecem sem função, apenas para garantir possíveis continuações. 
O enredo, a origem de Wolverine faz uma horrenda viagem à infância da personagem e de Victor Creed, o Dentes de Sabre, com Liev Schreiber na atuação mais densa do filme todo. Reconstituição histórica ruim e algo que incomoda bastante quem assiste: de um lado algumas licenças poéticas em relação ao que se via anteriormente das personagens ajudam a segurar o público novato. Do outro, personagens que fazem sentido apenas aos iniciados na série. O resultado? Não grada exatamente nem a gregos e nem a troianos. 
A falta de uma grande cena e um Wolverine extremamente meloso, por vezes piegas, tornam a brutalidade e crueza que Jackman impõe nos outros filmes da série apenas uma sombra do futuro. Uma grande cena? Difícil encontrar. Talvez a primeira cena de Gambit ou então, para citar o @deniscp, o momento que Scott Summer ouve pela primeira vez a voz do Professor Xavier. 
Off post: Vale a pena conhecer mais do universo dos super heróis no post de @syferrari no Gaveta de Criado Mudo. Imperdível!

One response

  1. Amanda

    Bem ruim o filme mesmo. E os efeitos especiais muuuito falsos…

    06/05/2009 às 11:43 AM

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s